12 de maio de 2017

Eleitos os novos representantes da sociedade civil para o Conselho Municipal de Assistência Social

Estão declarados os novos eleitos que irão compor o biênio 2017/2019 do CMAS

Muitos desconhecem, mas toda as ações da Secretaria Municipal de Assistência Social são acompanhadas pelo Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS), que estava com as inscrições abertas para as entidades da sociedade civil que pretendiam se habilitar ao processo eleitoral para a composição do Conselho no biênio 2017/2019.

O edital foi encerrado no dia 12 de abril e a votação aconteceu durante toda a tarde dessa quinta-feira (11) no auditório da Federação das Associações Comunitárias de Arapiraca (Facomar). 18 entidades estavam habilitadas para votar em duas, cada uma, das 12 candidatas.

Lucas Ferreira 11052017-DSC_0401

Três segmentos compõem a sociedade civil, são eles: organizações dos usuários, entidades prestadoras de serviços e entidades que representam os trabalhadores da área.

Da votação dessa quinta-feira saíram eleitos o Conselho Regional de Serviço Social e Conselho Regional de Psicologia, como representantes dos trabalhadores da área; Associação Mãe Rainha, Cáritas Diocesana, Associação Sagrada Família e Comunidade Dona Paula, como representantes das entidades prestadoras de serviço; Associação Padre Antônio Lima Neto, Associação do Baixão, Associação da Comunidade Remanescente Quilombola do Pau D’arco e Associação Rural da Comunidade Genipapo, como representantes das organizações de usuários.

“A Secretaria de Assistência Social é o órgão gestor da área, ela executa a política. Já o Conselho é o controle social, responsável pela fiscalização, acompanhamento e definição da política no município. Secretaria e Conselho andam paralelamente”, explicou a assistente social e presidente da comissão eleitoral, Elza Maria Teófilo de Castro Amorim.

Lucas Ferreira 11052017-DSC_0400

O CMAS aprovou desaprova os balancetes, as prestações e conta, os planos municipais de assistência social, relatórios de gestão, enfim, toda e qualquer decisão precisa estar amparada pela deliberação do Conselho e os representantes da sociedade civil são a esfera não governamental do órgão.